Seguidores

domingo, 1 de abril de 2007

Viver é um espetáculo!




≈♥≈◦…◦ﻶﻉణ◦ﻉﻶ…◦≈♥≈◦
Somos apenas atores, atrizes,
ensaiando poesias, felizes!
Buscamos as nossas raízes...
e assim conhecemos o mundo.

Por vezes somos impulsionados
forçados a deixar poemas gravados.
Quase sempre é apenas registrado...
uma emoção...sentimento impulsionado.

O papel é o de ser um aprendiz digno
mas a gente tem pensamento maligno...
e a representação da mente capenga
falseia, finge, distorce, encobre somente.

É nossa pobreza, carência, fragilidade...
que com o tempo mascara a verdade
e a mentira se faz presente. Doente!
O que mostra fragilidade de demente!

O medo então acontece. Aparece!
São as máscaras que nos adoecem.
Segredos tolos, frágeis...transparecem.

Poetisar brincando o coração aquece!
Homenageando aqui a quem merece.
Porque só não perece
a amizade. A prece!

Vestí-los de sorrisos... almejo!
Sentindo um gostoso desejo
de ganhar de você um beijo.

Quer melhor que um carinho...
para enfrentar os "rede-moinhos"?
Logo, logo... todos ficam mortinhos...
Ah! Deixa eu inventar estes versinhos.

Sei que você vai me chamar de bobo!
E daí? Nem aí... eu tô. Sou mesmo tolo...
Viver assim alegre, abobalhado é meu consolo.
Escrever afasta a dor de sentir-me assim tão só!

Pelo menos eu não disfarço
componho, digo e faço...
nesse palco... sou palhaço!

Aprecio...adoro trazer muito riso
Tanto no picadeiro, como no circo inteiro.
Meu negócio é não levar nada à sério...
numa vida tão curta pra que tanto mistério?

Nem sei se chegarei a sentir algum aplauso...
minha intenção é ter o seu afeto, completo!
Simulo, fantasio nestes versos o meu espanto.
Sou um artista que quer gritar o seu canto.

Estou cansado de ver tantos prantos...
desgostos, lamentos, desconfortos!
Antes das cortinas fecharem, desato
os nós que me trouxeram a este ato.

Vaiem. Gritem. Maldigam. Não ligo!
Por que dessa vida eu só bendigo...
Oti/pessimismo é comigo!

Bastam as minhas, as suas luzes comigo.
Elas são o meu abrigo. Posso contar contigo?
As cortinas? São panos rasgados. Estragados!
Prefiro o AMOR amigo e saber que VIVO!

…◦≈♥≈◦…◦ﻶﻉణ◦ﻉﻶ…◦≈♥≈◦…◦
Hildebrando Menezes
Brasília, 02/04/ 2007

...................................
Palco da vida
…◦≈♥≈◦…◦ﻶﻉణ◦ﻉﻶ…◦≈♥≈◦…◦
Abrem-se as cortinas
de um palco iluminado,
é o palco da vida
sendo apresentado.

Palco da vida,
onde todos fingem
um personagem,
fazendo-se de fortes
quando são todos frágeis.

No palco da vida todos
representamos, mascaramos
nossos medos
ocultamos nossos segredos.

Representar é preciso
no palco da vida,
sorrir quando se deseja chorar,
temos que ser artistas, camuflar...

No palco da vida
cada qual com sua máscara,
carregando sua casca
representando uma farsa.


Palco iluminado...
o palco da vida é um teatro, representado
por humanos simulados,
somos todos artistas
encenando os atos.

Ao fecharmos as cortinas de luzes
apagadas...
retiramos nossas mascaras,
somos nós mesmos de
cortinas fechadas.
…◦≈♥≈◦…◦ﻶﻉణ◦ﻉﻶ…◦≈♥≈◦…◦
Leni Martins

2 comentários:

Cecilia disse...

Olá Hild!!!

Que viagem você fez aqui!!! Uma introspecção que nos questiona a autenticidade dos nossos sentimentos e de como o demonstramos...

E assim vai versando sobre a multiplicidade de emoções que nos povoam a todo instante...e que muitas vezes camuflamos...

Aqui você maravilhosamente poetisa sobre todos esses conflitos e nos deixa uma mensagem do auto conhecimento...

Mas mais do que tudo senti aqui uma apologia a alegria e a vida num todo, mesmo quando a tristeza e a incerteza imperam...

Pois esse é o bem maior a procura da nossa verdade,paz interior e felicidade...

Parabéns!!!

Beijos no core !!!

Carmen Cecilia

Gustavo do prédio... disse...

Esse é o Juca um autêntico representante dos néscios na internet.. Brincadeiras a parte, seu blog ficou muito legal. Parabéns!!! A Gegê vai gostar muito quando descobrir...
Um abraço. Gustavo