Seguidores

segunda-feira, 20 de agosto de 2007

Meia loucura...Loucuras...Languidez...A flecha do cupido





Meia loucura

Que tal trocarmos de loucura
Você sobrevoa com a minha
E eu me extravaso com a sua?

Que tal unirmos
Nossas mentes sãs
Que por mais vãs
Se misturam numa loucura madura?

Você com a sua
Eu com a minha
Que ainda procura
Num veio de água limpa
Um seio de alma pura?

Que tal trocarmos nossa loucura
Você se propaga com a minha
E eu me enriqueço com a sua?

Que tal espalharmos aos quatro cantos
Que nenhum processo foi podado
Que ninguém foi mal acabado
Que não houve pranto ou lisura?

Porque você tem a loucura mais pura
A loucura mais consciente
Própria do ser inocente
Mas redunda numa amargura?

Que tal trocarmos nossa loucura
Você fica com a minha
E eu me libero com a sua?

Que tal trocarmos de exílio
Fazendo do auxílio
Um asilado da lucidez?

Que tal experimentarmos a valentia
Mudando a sintonia
Fingindo sensatez?

Que tal abandonarmos as regras
Fazendo-nos de contente
Porque um ser só é meio louco
Quando a outra meia parte só é mais um pouco?

Que tal trocarmos nossas loucuras
Você sobrevive com as minhas
E eu, vou vivendo com as suas...

Enise

Veja este poema editado:

http://www.youtube.com/watch?v=5qoZs__W6uk

Loucuras...

♥♪♥♪♥♪♥♪♥♪♥

Ela não sabe ainda...
o que é meia loucura.
Só a loucura inteira.

É verdade! Não existe meia vida...
nem meia mulher grávida...
nem meio ser apaixonado.

Pra ela a meia loucura...
é esperar pelos momentos.
E a loucura total, pela vida inteira.

A meia loucura seria apenas...
Dos beijos ardentes...somente.
A loucura inteira... a noite de amor!

Completa, intensa, plena!
A meia só de pensamentos...
A total... de atos e sentimentos.

A loucura inteira é acordar...
dormir, pensar e sonhar com ela.
É a falta doída de não ter ao seu lado.

Ou só pensar em querer...
sem nunca de fato viver.
A inteira é admitir, saber...
que não se vive sem você.

Meia loucura seria apenas...
imaginar ir ao seu encontro.
Loucura inteira é pegar a
estrada e estar contigo!!!!!

A meia é achar estar apaixonada.
A inteira é amar e ser amada...
Viver o amor de verdade.

A meia seria esperar por doces palavras...
A inteira... é ouvir no silêncio a sua voz.
Passar a noite acordada... assim... em claro.

A meia seria tentar dizer que te amo...
A inteira é não cansar de dizer a você
O quanto, o como, o tanto que eu te amo.

E estes versos aqui esboçam apenas metades.
Meias, sinceras, de nossas queridas loucuras...
Esperando ansiosos um dia para vivê-las inteiras.
♥♪♥♪♥♪♥♪♥♪♥ ♥♪♥♪♥♪♥♪♥♪♥
aut:analuciavano & hilde
taq/bsb.19.08.07

Languidez

Viagem...
Sentidos...
Desejos...
Carnais...
Química...
Anestesia...
Rumo...
Pele...
Célula...
Acende...
Amantes...
Essências...
Busca...
Curvas...
Excitantes...
Entranhas...
Façanhas...
Lábios...
Suspiros...
Beijos...
Arrepios...
Penetrações...
Lentas...
Volúpias...
Línguas...
Fluxos...
Contínuos...
Ritmos...
Cadências...
Veias...
Ofegantes...
Sexo...
Lânguido...
Inflama...
Cheiros...
Perfumes...
Orgasmos...
Múltiplos...
Lascivos...
Longos...
Intensos...
Constantes...
Profundos...
Impulsivos...
Dissonantes...
Quentes...
Ferventes...
Envolventes...
Relaxantes...
Loucos...
Delirantes...
Provocantes...
Carícias...
Soltas...
Delícias...
Dedos...
Toques...
Eróticos...
Maviosos...
Delicados...
Doces...
Eloqüentes...
Amor...
Perfeito...
Presente!

Hildebrando Menezes
Brasília/DF,20/08/2007.

A flecha do cupido

♥♪♥♪♥♪♥♪♥♪♥♪
Meu desejo viaja...
Ao encontro do seu.
Nossa carne clama...
Toda a sua chama.

Química em ebulição.
Da mente e do coração.
Acendendo a sedução.
Nas células da pele...

Exala o cheiro do amor.
Lábios se procuram...
No silêncio...na escuridão.
Ouve-se apenas a respiração.

Suspiro tênue em conexão.
D’alma...do sexo...em ação!
Prenunciam explosão da paixão.
Toques suaves...intensos...

Parecem conversar em código.
Sentimento mais profundo...
Decifrando todo o conteúdo.
Da sinfonia amorosa do mundo.

Sua criação...concepção.
A rotação do universo.
Bailam os poetas seus versos.
Fascínio. Mistério. Complexo.

Nesta cadência envolvente...
Há revoada de pássaros nos céus.
Como algodão solto no ar...
Nuvens mudam de lugar.

Vento assoprando no mar...
Formando ondas de espumas.
Prateadas com a luz do luar.
Árvores arquejam seus galhos.

Magnetismo de abraços...
Vencendo nossos cansaços.
Nos unem...nos entrelaçam.
É o caleidoscópio do amor...

Com a beleza de suas cores...
Estampando cenários de encantos.
O arco íris faz a ponte...
Por onde o cupido ali escondido...

Atrás do pote de ouro...
Mirou e lançou sua flecha veloz.
Acertando o alvo dos nossos corações...
Desenhando com ternura estas emoções.

♥♪♥♪♥♪♥♪♥♪♥♪♥♪♥
Hildebrando Menezes
Brasília/DF, 20/08/2007

2 comentários:

analucia disse...

simplesmente demaisssssssssss

hild, amo seu cantinhoooooo,
ele me fortalece a alma
sempreeeeeeeee

q DEUS continue iluminando sua
vida, pra sempreeeeeeeeee

bjkassssss com carinhoooooo

analuciaaaaaaaaaaaaaa

R.Cássia disse...

Olá Hildebrando, sou da comunidade do Poeta Tonril(Rilton), vim fazer uma visitinha, conhecer suas palavras...São lindas, gostei do modo como as desenha, da maneira como as molda e a forma que tomam...Parabéns!