Seguidores

sábado, 21 de maio de 2011

Solidão de dois irmãos - Duo: Jorge Cortás Sader Filho e Hildebrando Menezes




Que solidão é esta,
Intrépida e silenciosa...
Que às vezes me bota tão triste
Parece gemer das entranhas

Não adianta carinho ou festa,
Quando sei que nada existe
Por que será que se manifesta?
Cruel suas garras afiadas investe

Parece, não tenho certeza,
Que tudo é ilusório,
Mascara-se em sutilezas
Seu vasto repertório

Nem reza nem oratório;
Levou-os à correnteza
É inferno ou purgatório?
Queria alguma certeza...

Nesta vida malvada,
Sem deus, santo ou nada
Quero a alma depurada
Chega de tanta charada

Flui a vida desgraçada
Profana e não sagrada
Alguém por aí me explica...
Por que o simples complica?

Sem sair desta ingrata,
O que iremos colher?
Fico sem mesmo saber
Onde é o fim da picada

O que fiz a essa malvada?
Estou perdido na mata
Só enfrento encruzilhada
E tento assim sobreviver!

- Frei José de Santa Rita Durão...
Se tiver que pedir... Eu peço!
De joelhos a ti peço Perdão
Mas se não é dele, não?!

Abra portas e janelas da alegria...
Ouça o grito do meu coração
Poesia que reclama sua autoria...
Então é meu mesmo, irmão!

Duo: Jorge Cortás Sader Filho e Hildebrando Menezes
http://www.recantodasletras.com.br/poesias/2973334
Veja o poema em vídeo:
Solidão de dois irmãos - Duo: Jorge Cortás Sader Filho e Hildebrando Menezes
http://www.youtube.com/watch?v=Y-f_nl0fio4

3 comentários:

Alan disse...

Excelente dueto!
Como aprendiz de poeta? Vocês dois são profissionais da literatura, o poema não tem nada de amador.

Alan

Simplesmente Malu! disse...

Não creio que essas duas cabecinhas pensantes estejam mesmo sofrendo de solidão!...rsrsrs...
Claro que são só devaneios de poeta...E por que não?
Bjs

valquiria disse...

Olá amigo, volto pra degustar cada post, depois, agora deixo abraço.